13 de novembro de 2007

O jornalista "Simprão"

Hoje tive que ir pelo quarto dia seguido ao Poupatempo. Sabe como é, brasileiro, preguiçoso, deixo tudo para a última hora. Esperei vencer os 30 dias de prazo para renovar minha carteira de habilitação. Aí começa a correria. No primeiro dia esqueci de levar o comprovante de endereço; até hoje não entendo porque tenho que provar a alguém que moro em algum lugar para poder dirigir, mas tudo bem. No segundo dia, com o comprovante em mãos, peguei uma senha de número 60. Fiquei uma hora e meia esperando, e como tinha que trabalhar, desisti. Saí de lá faltando 20 minutos para meu horário de entrada no jornal e no painel das senhas ainda constava o número 35.
Irritado, voltei no terceiro dia prometendo só sair de lá com minha “carta” na mão. Pobre ilusão. Ao enfrentar a fila novamente fui alertado por uma mocinha, (muito seca por sinal. Acho que os funcionários lá deveriam passar por uma reciclagem, pois trabalhar para o público é um dom) que deveria ter trago a cópia do meu cursinho. “O que? Fiz o cursinho há cinco anos, depois disso mudei de endereço, não tenho a menor idéia de onde está. Já é a terceira vez que venho aqui. Você não pode facilitar as coisas para mim?”. Com uma cara feia (literalmente, pois outra coisa que notei é que não contratam mulheres bonitas no poupatempo) ela me disse: “Vá até o lugar onde você fez o curso e peça segunda via”. Ai, ai, ai. Saí de lá xingando meio mundo, e quando cheguei à minha casa fui xingando pelo meu pai. “Burro, eu falei que era pra você fazer isso antes, agora se vira, se a polícia te parar o azar é seu, lerdo”. Passei o final de semana injuriado, mas corri atrás, consegui uma segunda via do certificado do cursinho e hoje fui para a denominada “saga do poupatempo”. Mas desta vez tinha que ir preparado. Precisava de uma companhia leve ao meu lado. Algo que fizesse com que as horas passassem mais rápido naquele estressante lugar.
Não pensei duas vezes em chamar um amigo.
Amigo?? Sabe aquela pessoa que você só vê uma vez, mas o imagina no sofá da sua casa tomando uma cerveja e contando histórias engraçadas?? Esse meu “amigo” é assim. Não consegui levá-lo de corpo presente, mas levei sua obra. Suas crônicas, que fizeram com que eu risse sozinho em meio a um local onde todos à minha volta estavam com semblante pesado e cansado.
Parecia que ele estava lá contando aquelas histórias pessoalmente. Consegui me transportar para cada local que ele citou e viver junto a ele todas as suas experiências. Quando percebi, já tinha conseguido cumprir todas as etapas, e depois de três horas e 20 minutos, saí de lá habilitado, pronto para dirigir meu amado carro novamente.
Por isso estou aqui para agradecer a companhia meu caro Gordinho e a sua menina de rosa, obra de um jornalista que por seu talento e carisma ficará conhecido na minha faculdade como o Jornalista “Simprão”.

4 comentários:

Andre disse...

Voce precisa provar a alguem onde mora porque se cometer um crime (homidicio culposo), as autoridades saberão onde te encontrar.

Eu tambem vou ter que renovar minha carteira, que ja está vencida há mais de 2 anos... e eu nem sei quando farei isso. rssssssssss

Jornalista "Simprão" ahahahahaha

ana disse...

Alasss, que trabalheira! Bom que conseguiu. Eu, como nem pretendo tirar carta... hehe
Ah, li a crônica do Gordinho e a Menina de Rosa que vc falou, meio nostálgico..
Abraço :)

Anônimo disse...

Olha: o PoupaTempo é feito pra isso, pra poupar o seu tempo em de ficar rodando a cidade para renovar a carta por exemplo. Se for para perder 2, 3 ou mais horas para fazer isso, o PoupaTempo faz você esperar tudo em apenas 1 lugar. Esse é o PoupaTempo, faça tudo e espere tudo em 1 lugar.
Deixando o sarcasmo de lado: realmente muito boa essa sua saga bem descrita!!!
Abraços pra tu!!!

Anônimo disse...

Oi primeira vez que passo aqui...
Que bom que conseguiu, otima opção a leitura.