31 de março de 2010

Só há um jeito para ter reconhecimento


Andei pensando (só o que tenho feito atualmente) e cheguei a uma conclusão. Todos nós deveríamos ter o direito a uma ressurreição. Sim, isso mesmo, morrer e poder voltar ao convívio terrestre.
Raciocine comigo. Salvo raríssimas exceções, todo mundo que parte desta para melhor num passe de mágica vira um ser perfeito. Você olha as entrevistas de parentes do morto na TV e o que ouve é: “Ele era honesto, não tinha defeito algum, sempre amigo de todos”.
Com essa coisa de orkut então, morrer significa virar pop. Seus recados triplicarão.
Gente que você nunca viu na vida deixará lá uma menção honrosa de pesar, como esta: “Olha, não te conhecia, mas tenho certeza que você era uma pessoa especial e querida. Fique com Deus”.
Além disso, seria uma nova oportunidade para quem se foi. Comprovadamente, todos os artistas, após a morte tem seu trabalho mais divulgado, mais comercializado. Michael Jackson, por exemplo. Endividado, passou a ser o artista mais rentável do ano passado graças ao seu falecimento. Se ele voltasse, quitaria todas suas contas, faria o dobro de shows marcados pré-morte, e de quebra poderia nos brindar ao vivo com musicas que estavam escondidas e só após sua morte voltaram a aparecer na mídia.
Essa semana morreu Armando Nogueira. Eu particularmente conhecia pouco do seu trabalho. Sempre via nos programas esportivos, mesa-redonda, mas não conhecia a fundo seus textos e suas maravilhosas crônicas. Como conheci? Com sua morte. Se ele tivesse mais uma oportunidade de voltar, seria bom para todos. Ele faturaria mais com seus livros, quem sabe voltaria a ter um programa semanal na tv, e nós amantes da escrita poderíamos curtir ainda mais o seu trabalho.
Imagine quanta gente boa esta por aí. Cantores, compositores, escritores, atores.
Até mesmo os profissionais mais “normais”. Mecânicos, engenheiros, dentistas, enfim. Muitos escondidos, com trabalhos bonitos para mostrar. Ta aí a solução. Eles morrem, a imprensa divulga, as pessoas o tornam mitos, a gente passa a conhecer mais a fundo, eles voltam, aproveitam a boa maré e todo mundo sai satisfeito.
E tem mais, os grandes gênios deveriam ter direito a 3 voltas.
Assim, quando eles começassem a ficar escondidos novamente, uma morte, uma aparição no fantástico e pronto, voltariam aos holofotes.


Outro acontecimento curioso nesta semana, não tem a ver com a morte, mas sim com uma segunda chance. Marcelo Dourado ganhou o BBB 10. Se alguém escrevesse isto há 03 meses, seria taxado de louco. O cara era totalmente impopular, tido como grosso, o vilão de qualquer novelinha global.
E eis que a vida nos prega uma peça. Dourado mostrou que todo ser humano tem defeitos e qualidades em um só corpo. Pode ser grosso e humano, arrotar na mesa e agradecer por uma mão estendida. O fato é: Irônico, esperto e humano, com momentos ruins e bons, o lutador aproveitou uma segunda chance na vida. Goste ou não dele, fica a dica. Conheça a história do cara, as derrotas, as reviravoltas, as chacotas que ele sofreu, e a partir de ontem, veja que a vida vai –lhe sorrir muito. Não só pelo dinheiro, mas principalmente por uma coisa que só agora ele terá. Portas abertas. Quando se encontra a porta aberta em qualquer lugar tudo fica mais fácil. Eu não tenho um milhão e meio, provavelmente você que está perdendo seu tempo aqui lendo também não tem, mas garanto, uma porta aberta seria muito bem vinda para qualquer um de nós.
Que a gente faça por merecer então, muitas portas abertas, grandes oportunidades e quem sabe,o direito de voltar após a morte para enfim termos aquilo que é muito raro em vida:
RECONHECIMENTO.