27 de dezembro de 2007

MINHA HOMENAGEM- LAIS HASMANN

LAMENTO O QUE ACONTECEU
LAMENTO A FORMA COMO ACONTECEU
NA NOSSA ÚLTIMA CONVERSA VIA MSN ENTRAMOS EM UM DEBATE NO QUAL ELA FALAVA QUE TODOS OS HOMENS ERAM IGUAIS E SEMPRE TINHAM O MESMO "PAPINHO".
EU PROMETI A ELA QUE SE TIVESSE OPORTUNIDADE IRIA PROVAR O CONTRÁRIO.
INFELIZMENTE NÃO TIVE TEMPO DE MOSTRA A ELA QUE NEM TODOS OS HOMENS SÃO IGUAIS. ALGUNS AINDA TEM CARÁTER E DIGNIDADE.. QUEM SABE UM DIA EU TE PROVO AINDA...
LAH, DEIXO AQUI O MESMO QUE VOCÊ ME DEIXAVA SEMPRE NO MSN..
UM "SALVE".
SEMPRE GOSTEI DE MULHER DE PERSONALIDADE FORTE. POR ISSO, ELA ME INTRIGAVA MUITO..
MINHA ÚLTIMA HOMENAGEM FOI EM FORMA DE MATÉRIA PARA O JORNAL DÍARIO DE JACAREÍ DO DIA 27 DE DEZEMBRO DE 2007, ONDE FUI À CASA DELA E ENTREVISTEI O PAI (UM GUERREIRO).
ESTÁ AÍ...

Pai de adolescente morte
acredita na solução do crime

Legenda:
Laís estava fazendo curso técnico e sonhava trabalhar com informática

“Era uma menina de ouro. Eu não media esforços pra faze-la feliz. Só quero que esse caso não fique impune”, diz Pierre, pai dela

A viagem de final de ano da família Santos para o Litoral Norte e tão desejado por Laís não vai mais acontecer. Ainda muito abalado com a morte da filha, o empresário Valdemir dos Santos, mais conhecido como Pierre, recebeu com exclusividade a reportagem do Diário de Jacareí para pedir justiça e agilidade nas investigações que envolvem o crime, que abalou a cidade de Jacareí às vésperas do Natal.
Sem detalhar o crime, Pierre está confiante no trabalho da polícia, e quer a solução do caso. “Só quero que isso acabe logo, para seguir em frente. Nem quero ter contato com o assassino”, diz ele.
Cercado de fotos da filha mais velha, o empresário diz que está voltando a se alimentar, assim como sua esposa e a sua outra filha, Letícia, de três anos, que pergunta frequentemente pela irmã. “Expliquei a ela que sua irmã querida foi morar com o papai do céu”.
Ele conta que Laís sempre respeitava os horários impostos pela família, e no dia de sua morte estranhou o atraso da adolescente. O pai também fazia questão de ir buscá-la nas festas dos amigos, programa que Lais adorava. “Ela sempre foi muito querida por todos. Gostava de ir a festas, mas sempre voltava pra casa no horário marcado. Isto quando eu não a buscava. Era uma menina de ouro que nunca me deu trabalho na sua educação”.
A família já pensa em mudar de casa para tentar amenizar a saudade da filha. “Moramos aqui há 15 anos. Cada cantinho desta casa tem a cara dela. Quero que ela fique bem viva no meu coração, mas prefiro ir morar em outro lugar”, diz o pai, bastante emocionado.

SONHO-
Um dos sonhos de Laís era se aprimorar na área de informática, e para isso estava fazendo curso técnico no ITJ (Instituto Tecnológico de Jacareí). “Ela passava horas na frente do computador, e me dizia que queria trabalhar com isso. Era uma menina muito determinada”.


HOMENAGENS-
Muitas pessoas fizeram questão de mandar mensagens de lamentação e conforto à família da adolescente.
Segundo o pai dela só hoje mais de 20 amigos ligaram prestando solidariedade. “Os amigos estão com a gente, e isso só mostra o quanto ela era amada por todos”.
Em sua página no site de relacionamentos Orkut, haviam até o começo da noite de ontem cerca de 400 recados, deixados por amigos, familiares e até desconhecidos, que ao saberem do caso resolveram deixar seus pesares.
Os amigos também utilizaram o Orkut para homenageá-la, criando uma comunidade especial, na qual comentam o quanto ela fará falta. Mais de 50 pessoas já tinham aderido a comunidade até a noite de ontem.
Laís era tida por todos como uma menina muito alegre e carismática, e ficará guardada na memória dos amigos, entre outras coisas, pelo seu costume de falar a palavra “Salve” toda vez que cumprimentava um amigo ou gostava de alguma coisa.

22 de dezembro de 2007

Até quando?

Até quando travestida de sombra andará ao meu lado muda e fria?
Por quanto tempo terei que me contentar em dar voltas pela cidade em pleno sábado a noite tentando fugir de você sem sucesso?
Sua companhia não me agrada. És de todas minha última opção.
Pego meu violão, componho alguns versos, mas logo sua presença me domina, fazendo com que eu fique refém da minha própria inspiração.
Confesso, em alguns momentos preciso de ti. Sua calma me faz meditar, sua falsa tranqüilidade renova minhas baterias. Mas é só. Uso-te e não quero mais. Como uma reles e impressiva mulher da vida que me cobraria 30 reais por momentos de prazer, eu te dispenso sem o menor pesar. Mas você não se faz de rogada e volta a me perseguir. Temo estar falando com você daqui alguns anos. Espero que suma da minha vida. Procure outro, e me deixe em paz.
Mas por enquanto lamento e apelo:
Até quando você vai me acompanhar, SOLIDÃO?

11 de dezembro de 2007

Resposta ao Anônimo

Esta noite dormi com a janela aberta, esperando um pensamento transformado em vento que viria iluminar minha madrugada como uma lua cheia extasiada de luz. Porém, a única coisa que me apareceu foi um pernilongo chato que ousou estragar meus sonhos.E o mais estranho de tudo, que mesmo com o forte calor, um frio se instalou no meu quarto. Mas não era o frio normal que sentimos quando estamos no inverno. E sim um frio de quem dorme sozinho querendo um abraço, de quem ouve milhares de vozes durante o dia , mas sente falta de apenas uma pra dizer “Boa noite querido”. Só quero saber até quando o Anônimo vai ficar anônimo, resistir e lutar contra a solidão de querer apenas uma pessoa e evitá-la. Diz o ditado: A vida curta. Diz um compositor desconhecido metido a jornalista: Felicidade não existe, o que existe são momentos felizes. Vive melhor quem coleciona mais momentos alegres. Eu tenho alguns destes momentos aqui, louco para compartilhar..Interessa pra você?

10 de dezembro de 2007

SABE AQUELA PESSOA

Ouço desde pequeno que as maiores alegrias estão nos gestos mais simples. Que os menores frascos têm os melhores perfumes. E também, que os momentos inesquecíveis geralmente nascem de atitudes despretensiosas. Acredito em tudo isso, mas se é mesmo verdade, porque não praticamos. Porque, ao invés de exaltar pessoas inteligentes e bem humoradas, admiramos pessoas ricas e poderosas. Porque lutamos tanto contra o preconceito racial, se o padrão de beleza da maioria tem pele e olhos claros? Sinceramente não entendo. De tanto questionar, e ser questionado, criei os meus padrões. E eles são: Não seguir nenhum padrão. Adoro meu samba e todos sabem, mas se hoje quero ouvir musica sertaneja, que venham Victo e Léo, Bruno e Marrone. Estou a fim de passear; bermuda e chinelo, sem me preocupar se os vendedores das grandes butiques não irão me abordar com aquele tradicional e chato “Posso te ajudar? Fique a vontade, se precisar me chame”.
E foi assim, sem seguir padrão que passei a admirar muito uma pessoa. Ela não tem o corpo da Juliana Paes. Não tem a cara de devoradora da Débora Secco, nem tão pouco é uma mulher de peito como Pammela Anderson. Mas ela é natural. Sabe aquela pessoa que você sente vontade de andar a pé pelo calçadão, tomar um sorvete de palito, olhar as vitrines das lojas e rir, de todos e de tudo? Sabe aquela mulher que você deseja mais o DEPOIS do que o DURANTE, que o prazer maior é de ficar abraçado olhando para o nada, e pedindo para que o relógio pare, eternizando esse momento? Talvez se eu passasse pela rua, na correria do dia a dia nem a notaria. Ela é uma jóia tão rara que precisa de tempo para que você conheça suas qualidades. Não é aquela mulher que passa na rua e você grita gostosa. Com ela você quer muito mais que isso. Com ela, você sente vontade de ver novela das oito. Sente vontade de oferecer o golaço que fez na pelada. Pasmem! Sente até vontade de ir ao shooping, vendo-a experimentar vinte vestidos, treze calças, não levar nenhuma e ainda reclamar dos preços. Sabe aquela pessoa, que mesmo no fim de tudo, você enche o peito e fala com orgulho, valeu a pena!
Sabe aquela pessoa?
Eu sei..

6 de dezembro de 2007

QUE MUNDO É ESTE?

Hoje um comandante da Polícia Militar de SP deu uma entrevista ao vivo, em jornal no horário de almoço, dando dicas para evitar furtos, que tem maior ocorrência nesta epóca do ano.
O "mestre" disse: Se alguém for solícito e educado com você, ou mesmo lhe oferecer ajuda ou falar qualquer palavra bondosa, cuidado. Pode ser um assaltante!!!!
Portanto pessoal, vamos ser mal educados, grossos e arrogantes, dane-se a pessoa que estiver do seu lado..afinal..o comandante disse que todos que forem assim são bandidos disfarçados.
Ah..vá te catar

3 de dezembro de 2007

Dia estranho

Hoje acordei disposto a falar sobre futebol. Afinal, a última rodada do brasileirão teve atrativos suficientes para inúmeros comentários. Porém, vários acontecimentos curiosos fizeram com que eu mudasse o rumo da prosa de hoje. Muito estranho esse domingo.
Logo pela manhã, ao tentar ligar a televisão, eis que tento pegar o controle remoto, e subitamente, da minha mão ele CAIU. Tudo bem, deve ser o sono. Me preparo para tomar banho, ouço um barulho, e quando olho para o lado, vejo que o shampoo CAIU.
Ao final do banho, quando vou acender a luz do quarto, misteriosamente, percebo que está sem lâmpada. Subitamente, ela CAIU. Comecei a me preocupar. O domingo começara de forma estranha. Almocei, entrei na internet, batia papo com um amigo, ele se dizia muito triste, pois sua namorada estava passeando pela cidade de moto, e em um acidente sério, CAIU. Procurei saber mais detalhes sobre o caso, mas para minha surpresa, a internet da minha casa misteriosamente também CAIU.
Sem saber o que fazer, resolvo dar uma volta, e logo na saída do bairro, uma movimentação de pessoas tentava apagar um pequeno incêndio na mata. Pergunto a conhecidos, e um deles me contou. “Esse fogo está aí porque um irresponsável soltou um balão, que CAIU justo aqui na nossa rua”. Me disperso da multidão, mas o clima permanecia estranho. Comecei a suar, passar mal, e sem outra alternativa procurei um médico particular. Passei antes por um caixa eletrônico para pegar dinheiro, e qual minha surpresa ao chegar lá? Meu pagamento não CAIU. Que raiva. A fraqueza virou dor de cabeça, que virou azia, e não tive escolha. Ir à um hospital 24 horas. Muita gente na frente, uma espera enorme, e quando chega minha vez, o médico com cara de poucos amigos me analisa, e chega a seguinte conclusão: Minha pressão CAIU. Me receitou alguns medicamentos e ordenou que eu fosse pra casa repousar. Conselho seguido, dormi a noite toda e acordei com muita disposição. Tenho a semana toda para escrever e falar sobre futebol, afinal, hoje é SEGUNDA

28 de novembro de 2007

Coitadinha da Fonte Nova

Desde domingo passado, o Brasil ganhou uma nova vilã. Se você está sem dinheiro para pagar suas contas, a culpa é da Fonte Nova. Foi assaltado, vítima de bala perdida, ou mesmo pegou sua esposa com um amante careca e barrigudo (amante com a cara do Rodrigo Santoro é utopia), a culpa é da Fonte Nova.
Os jornais estão noticiando a demolição do tradicional estádio baiano como sendo o salvador da pátria. Algo que vá resolver os problemas de segurança, ou amenizar a dor de quem perdeu um familiar na tragédia de domingo. Está mais do que claro. A culpa é de quem administra o estádio. Os gananciosos, que aproveitando a boa fase do time junto à torcida, queriam encher os cofres para passar um fim de ano “gordo”.
Quando o Sinaenco (Sindicato Nacional das Empresas de Engenharia Consultiva) analisou os estádios brasileiros e condenou a Fonte Nova como o pior, tenho certeza que os dirigentes do clube baiano falaram: “Ah, não vai acontecer nada não, esses caras estão querendo aparecer. Vamos deixar do jeito que está e mais pra frente fazemos uma reforma”. E aí...bom, e aí deu no que deu. Agora que vidas foram embora, eles acham que demolindo o estádio, o assunto será enterrado também. Afinal, brasileiro adora colocar a sujeira por debaixo do tapete. É muito mais cômodo. O correto é punir as pessoas, prender todos os culpados por essa inadmissível falha.
E aqui no Vale do Paraíba, o pessoal que fique de olho. O Sinaenco esteve por aqui há alguns meses e detectou muitas pontes com problemas. Depois não me venham querendo demolir as pontes também...

19 de novembro de 2007

Fidelidade feminina..eu acredito?!?!?!?!

Ultimamente ando acreditando em tudo que me dizem. Papai Noel já me deixou recado no orkut perguntando se eu fui um bom menino. O coelhinho da páscoa vira e mexe me trás chocolates ao leite ( só espero que não seja aqueeele leite batizado). E a última que me falaram foi sobre a tal da fidelidade feminina. Dizem por aí que existe, as mulheres a defendem como se fosse uma tese de mestrado. Mas eu não conheço. Talvez tenha visto um saci saltitando pelas ruas de Jacareí, ou até mesmo um ser de outro planeta nos arredores da Univap(coisa mais do que normal)..mas ela..a fidelidade feminina eu desconheço.
Converso muito com essas jóias raras, meigas e muitas vezes provocantes. Atiço, instigo, questiono sobre esse tema. Umas me declaram abertamente que já traíram, outras juram de pé junto que jamais cometeram tal absurdo. E aí vem a interrogação. O que é traição? O fato de beijar alguém fora do seu relacionamento, ou simplesmente desejar, imaginar no seu mais íntimo o calor de outro que não seja aquele do dia a dia? Eu não sei, e fico na dúvida se quero descobrir, ou somente aproveitar as poucas (digo isso com firmeza) mulheres inteligentes, charmosas e de valor, que ainda estão por aí ao sabor do vento.
Vou continuar aproveitando e acreditando né..fidelidade feminina existe sim, e jajá será celebrada em um dia, assim como natal, dia da mentira, e outras datas comemorativas.
Quanto às minhas musas inspiradoras; não fiquem bravas. Prometo escrever algo sobre a fidelidade masculina. É que isso me exige muito raciocínio, muita pesquisa e sapiência. Só quero que vocês reflitam um pouco sobre isso. Vocês acreditam na fidelidade? Sabem ao certo o que é isso?
Ajudem-me, pois eu estou confuso. Mas inocente que sou..acredito...

13 de novembro de 2007

O jornalista "Simprão"

Hoje tive que ir pelo quarto dia seguido ao Poupatempo. Sabe como é, brasileiro, preguiçoso, deixo tudo para a última hora. Esperei vencer os 30 dias de prazo para renovar minha carteira de habilitação. Aí começa a correria. No primeiro dia esqueci de levar o comprovante de endereço; até hoje não entendo porque tenho que provar a alguém que moro em algum lugar para poder dirigir, mas tudo bem. No segundo dia, com o comprovante em mãos, peguei uma senha de número 60. Fiquei uma hora e meia esperando, e como tinha que trabalhar, desisti. Saí de lá faltando 20 minutos para meu horário de entrada no jornal e no painel das senhas ainda constava o número 35.
Irritado, voltei no terceiro dia prometendo só sair de lá com minha “carta” na mão. Pobre ilusão. Ao enfrentar a fila novamente fui alertado por uma mocinha, (muito seca por sinal. Acho que os funcionários lá deveriam passar por uma reciclagem, pois trabalhar para o público é um dom) que deveria ter trago a cópia do meu cursinho. “O que? Fiz o cursinho há cinco anos, depois disso mudei de endereço, não tenho a menor idéia de onde está. Já é a terceira vez que venho aqui. Você não pode facilitar as coisas para mim?”. Com uma cara feia (literalmente, pois outra coisa que notei é que não contratam mulheres bonitas no poupatempo) ela me disse: “Vá até o lugar onde você fez o curso e peça segunda via”. Ai, ai, ai. Saí de lá xingando meio mundo, e quando cheguei à minha casa fui xingando pelo meu pai. “Burro, eu falei que era pra você fazer isso antes, agora se vira, se a polícia te parar o azar é seu, lerdo”. Passei o final de semana injuriado, mas corri atrás, consegui uma segunda via do certificado do cursinho e hoje fui para a denominada “saga do poupatempo”. Mas desta vez tinha que ir preparado. Precisava de uma companhia leve ao meu lado. Algo que fizesse com que as horas passassem mais rápido naquele estressante lugar.
Não pensei duas vezes em chamar um amigo.
Amigo?? Sabe aquela pessoa que você só vê uma vez, mas o imagina no sofá da sua casa tomando uma cerveja e contando histórias engraçadas?? Esse meu “amigo” é assim. Não consegui levá-lo de corpo presente, mas levei sua obra. Suas crônicas, que fizeram com que eu risse sozinho em meio a um local onde todos à minha volta estavam com semblante pesado e cansado.
Parecia que ele estava lá contando aquelas histórias pessoalmente. Consegui me transportar para cada local que ele citou e viver junto a ele todas as suas experiências. Quando percebi, já tinha conseguido cumprir todas as etapas, e depois de três horas e 20 minutos, saí de lá habilitado, pronto para dirigir meu amado carro novamente.
Por isso estou aqui para agradecer a companhia meu caro Gordinho e a sua menina de rosa, obra de um jornalista que por seu talento e carisma ficará conhecido na minha faculdade como o Jornalista “Simprão”.

25 de outubro de 2007

Quem sou eu?

De tanto ler a pergunta quem sou eu..do nosso querido e injustiçado orkut ..resolvi falar quem sou eu....como eu acho que nós não somos..e sim estamos..vou falar quem estou eu..

Alguém cansado de futilidade, cansado de quem valoriza COISAS, cansado de quem vive de status, cansado de quem não acrescenta nada, cansado de gente sangue-suga...cansado da mediocridade de alguns, da soberba de outros...esse sou eu..cheio de defeitos, e com algumas qualidades, invisíveis a todas essas pessoas citadas acima..se você não é nenhuma dessas, seja bem vindo à minha vida..mas se for, muito obrigado..PREFIRO UMA SOLIDÃO SINCERA A 1000 COMPANHIAS FALSAS

Não se assustem, não sou nenhum cara amargo..negativista..e sim muito realista..
beijo a todos e comentem..falem quem são(estão) voces também

12 de outubro de 2007

Mãos ao alto!! e não reclamem

Nesta semana, o assunto mais comentado no meio jornalístico, foi o assalto seguido do artigo, publicado pelo apresentador Luciano Hulk sobre o ocorrido.
Segundo números divulgados pelo jornal Folha de São Paulo, metade dos leitores concordava e outra metade discordava, criticava, e por fim, repudiava a situação viviva pelo apresentador. Eu disse metade!!! me assusta muito o fato de que cinco, em dez pessoas são contra alguem reclamar de ser assaltado. Muitos falaram: "Ele é rico, não tem problema", ou "Bem vindo ao mundo real, caro apresenteador".
E mais uma vez questiono: O fato de alguém ser rico, seja por méritos, herança e etc, permite que ele seja uma vítima cosntante de bandidos sem poder reclamar? sem poder ao menos discutir uma solução que amenize esse problema tão "comum" e corriqueiro?

Minha opinião:
Não podemos nos acomodar, só reclamar quando alguém é assassinado brutalmente. Temos sim, que nos revoltar com qualquer ato de violência, e procurar uma solução amenizadora. Acredito que a solução desse problema só viria com uma reeducação. Mas isso está muityo distante. Então uma punição mais severa, o cumprimento de leis, já seria um bom começo.
É isso. Quero saber sua opinião. Reclamemos? Acomodaremos??o que faremos?

8 de agosto de 2007

porque erramos?




Porque erramos?
Às vezes erramos querendo acertar
Às vezes erramos propositalmente
Às vezes erramos e achamos que não erramos
Às vezes não erramos e acham que erramos

O fato é que todos nós erramos. Erros pequenos, alguns grandes. Mas poucos são aqueles que tentam reagir ao erro.
As grandes pessoas erram. Os guerreiros também erram... e muito.. mas o que diferenciam as grandes pessoas da maioria, é que os grandes se arrependem do erro. Buscam saber aonde erraram, procuram a solução. Muitas vezes não encontram, mas nunca se acomodam diante de um erro, porque sabe que a grande e verdadeira vitória vem sempre após uma derrota. O grande e verdadeiro acerto sempre chega após um dolorido, porém combatido erro.
Eu erro, mas estou em busca da minha grande vitória. E você ?

26 de maio de 2007

O apelo


Que burro; após quase dez anos de angústia, descobriu...
“Eu estou procurando em outras pessoas aquilo que deixei com você!”.
E justificou. Nesse tempo todo, conheci pessoas, tive atrações fortes, achei que isso era suficiente, mas não; não consigo.
Eu não vivo, apenas sobrevivo.
Trabalho, sorrio, me interesso por pessoas, mas quando ouço a palavra amor, é seu nome que me vem à cabeça. As cenas voltam a tona, e parece que você está aqui, na minha frente, sorrindo maravilhosamente como sempre fez. Eu nunca me esqueci de tudo que VIVI com você, desde quando te conheci, te ganhei e te perdi.
E hoje, eis que volto a pensar em você, pra fazer esse apelo.
Quero viver, quero poder sentir de novo tudo que senti por você.
Quero ser importante na vida de alguém, quero que alguém, quando tenha uma boa notícia, ligue primeiro pra mim.Quero poder escrever cartas de amor ridículas sem pensar se errei a grafia, quero receber um cafuné nesse dia de frio. Quero que alguém grite comigo, me cobre, me faça de novo sentir aquele cheiro bom de manhã, me faça sentir vontade de cumprimentar desconhecidos, e mais do que isso.
Quero VIVER!!!. Portanto, devolva aquilo que deixei com você: minha inspiração, meus beijos, meus carinhos, meu nome e sobrenome. Devolva tudo, e me libere para que enfim eu possa ser eu mesmo, sem disfarçar, sem sorrir quando minha vontade é chorar, sem chorar quando minha vontade é gritar, e sem sobreviver quando minha vontade é morrer.
To esperando, não vai devolver não?...