23 de janeiro de 2008

melhores matérias

Ano passado tive oportunidade de fazer algumas matérias interessantes. Vou destacar aqui as mais marcantes de 2007. Aquelas que me fizeram parar, pensar, e rever alguns conceitos importantes. A primeira é um série sobre uma moradora de rua chamada Preta. Uma pessoa pediu que eu a conhecesse, pois ela tinha um sonho muito peculiar. Eu fui..e a matéria está aí..espero que gostem..

Quero voltar a ter um sorriso lindo

É noite em Jacareí. Enquanto as poucas pessoas que ainda circulam pelas ruas da cidade por volta das 23h tentam se afugentar do frio usando casacos e toucas de lã, eles estão ali.
Muitas vezes invisível, outras tantas confundida com uma bandida, mas eles estão ali.
Quem passa pela rua Dr Pompílio Mercadante se depara com um grupo de pessoas especiais.
Sim, especiais! Não são grandes empresários, modelos de grifes internacionais, muito menos artistas conhecidos do grande público. São marginais, no verdadeiro significado da palavra - aqueles que vivem às margens da sociedade-, pessoas excluídas do concorrido mercado de trabalho, mas não excluídos de sonhar.
E ela continua ali, olhar sereno, cabelos brancos, fala dura, coisas de quem passou mais da metade dos seus 39 anos vivendo nas ruas.
Maria de Lourdes dos Santos, mais conhecida como Preta, é uma dessas pessoas que mesmo com uma história de vida sacrificada, poucas oportunidades, continua sonhando.
Quero sair das ruas, ter meus filhos de volta, mas principalmente, olhar no espelho e sorrir”. Isso mesmo, Preta quer sorrir. E para isso necessita de uma dentadura. Parece um sonho fútil. Mas para ela não é.
Eu ainda tenho o sonho de ter um bom emprego, mas hoje sinto mesmo a necessidade de ter uma dentadura, quero me sentir bonita”, disse Preta.
A história de Preta se confunde com a de centenas de mendigos espalhados pela cidade.
Ela era casada, tinha dois filhos, trabalhava numa agência bancária em São Miguel Paulista, mas a morte do marido a fez se aproximar da bebida. “Meu marido morreu, comecei a beber, minha mãe me humilhava e me fez sair de casa”.
Longe dos filhos, perto do vício. Preta não conseguia se ver distantes dos bares, e numa dessas noites conheceu seu atual companheiro.
Os dois começaram a viajar de ônibus sem rumo até que chegaram em Jacareí há cerca de 5 anos .
Preta passa o dia recolhendo objetos recicláveis e a noite se tenta dormir numa caixa de papelão, fazendo desse beco sua moradia. “Pego tudo que tiver na rua, consigo 20 reais por dia, mas não dá pra nada”, diz ela.
Perguntada sobre religião, Preta mostra uma fé surpreendente. “Acredito muito em Deus, sem ele eu não estaria viva, olha só a camiseta que meu negão está vestindo”, comenta com alegria apontando a camiseta vestida pelo seu companheiro com a frase “O bom pastor da a vida por suas ovelhas”.
Ajuda- A professora de pinturas Adriana Farias se sensibilizou com o pedido de Preta e resolveu procurar a reportagem do Diário de Jacareí. Ela, que há 1 ano e meio ajuda alguns mendigos da cidade disse que se emocionou com o sonho dela. “É um sonho tocante, e ela quer uma coisa simples, só uma dentadura para voltar a ter um sorriso bonito, tenho certeza que alguém vai ajudar e realizar esse sonho”.
Adriana diz que por estar todo esse tempo visitando Preta pelo menos uma vez por semana, já ganhou a confiança dela. “Eles são pessoas arredias, mas comigo ela se abre, conta tudo e há um mês que ela não fala em outra coisa que não seja sua dentadura”.
Adriana se dispõe a fazer o contato caso alguma pessoa queira ajudar.
Tenho certeza que alguém de bom coração vai me procurar e vamos realizar esse sonho dela, motiva-la, pois acredito que ela tem condições de sair das ruas e vencer na vida, pois é muito inteligente”.
Os telefones de contato para quem quer ajudar a Preta a melhorar seu sorriso são:
(12) 3951-2158 e (12) 8127-1251.
Quando a reportagem do Diário de Jacareí se preparava para deixar o local, Preta fez uma promessa: “Me ajudem, doem uma dentadura para que eu possa voltar a ter um sorriso bonito, e depois quero tirar uma foto linda com a Adriana e com quem me ajudar”.

20 de janeiro de 2008

Que se alegrem os psicólogos

Há algum tempo venho analisando o comportamento humano. O polêmico governo Collor abriu a exportação brasileira, e com isso conhecemos de fato e direito a modernidade. Celulares, carros i portados, ipods e acesso a internet, hoje em dia fazem parte da nossa geração. É claro que tudo isso é muito vantajoso, mas como tudo na vida, se não for bem aproveitado pode acarretar graves problemas. E analisando o comportamento da maioria das pessoas em relação a essas "novidades" cheguei a uma conclusão assustadora. Veja os exemplos abaixo, e no caso de se encaixar em alguns, ou até todos eles, se prepare: Seu futuro será no divâ de um dos futuros milionários psicólogos.
Pense nessa cena. Você precisa falar com um vizinho. Logo manda um emai, frio e objetivo, esperando resolver o assunto. Porque não vai a casa dele? Antes que você me responda:"É a correria do dia a dia", lhe retruco; Mesmo antes dos emails e celulares tínhamos uma vida corrida, mas não deixávamos de conviver com as pessoas. Sou do tipo que prefere um contato real, olhar no olho, sorrir, do que ficar a mercê do mundo virtual. E o caso dos nossos ipods, mp3,4,5,6,7... então? Tudo bem, é espetacular poder ouvir aquilo que queremos sem nenhum questionamento. Ma daí a se isolar do mundo com um fone de ouvido, é um sério problema. Fiquei sabendo que na Europa, fizeram uma balada onde cada pessoa ouvia suas músicas no ipod, dançando isoladamente. Se essa moda pega no Brasil é o armagedon. As crianças hoje brincam cada vez menos. A moda é jogar no pc. Esconde-esconde, bandeirinha, taco?Tudo coisa do passado. Já estou imaginando a cena de um casamento sendo realizado no computador, com os convidados assistindo a tudo pela web cam. Inclusive com os noivos cada um em sua casa respondendo ao padre pelo msn se aceitam um ao outro. É mais comodo né.
O fato é: Daqui há dez, no máximo quinze anos, por causa desse isolamento e mau uso das modernidades, a grande maioria da população terá graves problemas de depressão. As pessoas não saberão mais lidar em grupo. Os homens bem sucedidos procurarão os psicólogos para continuarem no topo, saberem lidar com as controvérsias. E as pessoas depressivas, mal sucedidas irão para o divã na busca de reaprender coisas simples, como conviver, ouvir não, levar um fora em balada e etc.
Vou deixar aqui dois conselhos que servem também como moral da história.
Conviva mais, leia mais, sorria mais, conheça mais pessoas, largue um pouco o pc, o ipod, e viva mais, aproveite mais as coisas antigas, que com certeza também são muito mais prazerosas. Repito: VIVA MAIS, seja o artista principal da sua vida, busque as emoções: grandes, pequenas, constantes, passageiras..enfim..
E o outro conselho é para você, inteligente, que gosta e valoriza o convívio com os seres humanos, e ainda não decidiu o que vai seguir profissionalmente. Não pense duas vezes. Faça psicologia. Será num futuro próximo a profissão mais valorizada e bem remunerada no país.
Isso se você não entrar em depressão antes, pela correria do dia a dia, busca insana a gananciosa por ser bem sucedido no mercado profissional, loucura por comprar um modelo novo de celular que sai de 5 em 5 minutos, e assim vai....